NEWS CUIABÁ
Últimas Notícias Mato Grosso Política Artigos Esportes Economia Variedades Meio Ambiente Brasil Mundo

/ Economia

29/11/2017 - 09h11
Imprimir

Setor de móveis e eletrodomésticos reivindica manutenção de carga tributária para 2018

Fonte: Luciane Mildenberger
A+ A-
Foto: REPRODUÇÃO

Representantes do segmento de móveis e eletrodomésticos de Mato Grosso se reuniram na segunda-feira (27) à tarde com o governador Pedro Taques para reivindicar a manutenção da alíquota do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) a 13% para o próximo ano. A alíquota original é 16%, mas um acordo entre governo e o segmento, no início deste ano, garantiu a redução até 31 de dezembro de 2017. O governador ficou de avaliar a proposta e se posicionar nos próximos dias.

Segundo o presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais de Mato Grosso (Facmat), Jonas Alves, responsável por intermediar a reunião, juntamente com o deputado estadual Dilmar Dal Bosco, o segmento de móveis e eletrodomésticos é um grande gerador de empregos e renda no estado. “É muito importante a manutenção da alíquota, pois é isso que tem permitido o crescimento do setor, mesmo com a perda dos incentivos fiscais. É isso que dá sustentabilidade às empresas. O papel da Facmat e das Associações Comerciais Estaduais é defender sempre um ambiente saudável, competitivo e isonômico para todos os setores econômicos”, afirmou.

Já o deputado Dilmar Dal Bosco disse que o assunto é de extrema importância, principalmente por ser um setor que não só ajuda e contribui muito no recolhimento de impostos com a expansão de novas lojas, mas, principalmente, na geração de empregos. “É um dos setores que mais emprega em Mato Grosso, por isso é importante que o governo tenha um olhar de incentivar e não atrapalhar. Acredito que por meio da Sedec, da Facmat e da Assembleia Legislativa, que têm se empenhado para achar a carga tributária ideal, temos certeza que o governo vai buscar a fórmula ideal para fazer com que o este setor continue competitivo, desenvolvendo suas atividades em nosso estado e gerando empregos”.

O empresário Osvaldo Martinello, presente na reunião, destacou que sua empresa está há 28 anos em Mato Grosso e gera hoje cerca de 1700 empregos. Ele possui 63 lojas em 48 municípios do estado. Ainda este ano a previsão é de inaugurar mais três lojas. “Essa diferença de 3% na cobrança do imposto pode significar o lucro ou não de algumas empresas. Nós sofremos uma pressão externa muito forte, como as vendas pela Internet, incentivos fiscais de estados vizinhos, e somos impactados por isso”, explicou.

Segundo ele, existem empresas do segmento com Centro de Distribuição em Goiás e São Paulo que vêm com uma carga de incentivo muito forte competir com as empresas mato-grossenses. “Precisamos do amparo do governo para continuarmos com nosso segmento fortalecido no estado. Por isso a importância da reedição do decreto que amplia o prazo do benefício com a cobrança da alíquota de 13%, redução vital para o nosso negócio”, reforça Martinello.

Para o controller das Lojas Gazin, Maurício Churkin, a manutenção da alíquota de 13% é primordial. “A nossa grande concorrência dentro do estado não é o lojista do mesmo segmento, mas a Internet. Se onerar os produtos, o consumidor vai buscar fora e eu deixo de gerar renda e emprego aqui”, diz. Ele destaca que a empresa saiu de 90 lojas para 99 este ano, em praticamente 60 municípios do estado, com a geração de aproximadamente 2600 empregos. “Na situação atual conseguimos aumentar a arrecadação, gerar mais empregos e renda. Se conseguimos aumentar as lojas, o estado ganha, a população ganha e o empresário ganha. É um ganha ganha, sem deixar ter fuga para outros estados”, conclui.

Também presente na reunião o empresário Cláudio Schauren, da Dona do Lar, empresa de móveis e eletrodomésticos que vai inaugurar sua primeira loja em Cuiabá nos próximos dias. “Como somos uma empresa nova, que está nascendo, é muito difícil trabalhar sem previsibilidade. Vamos inaugurar em dezembro sem saber ao certo qual será a carga tributária do setor, questão que já deveria estar muito bem definida, sem precisarmos nos preocupar com isso. O cenário é de otimismo e será muito importante o governo manter essa carga até para que o setor continue pagando seus impostos corretamente, com a geração de ainda mais empregos”.

Participaram ainda da reunião o secretário da Casa Civil, Max Russi, o secretário-Adjunto de Empreendedorismo e Investimentos da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Leopoldo Rodrigues Mendonça, e o prefeito de Matupá, Valter Miotto.

 

  Últimas

29/11/2017 - 09h11
Acordo prevê pagamento à vista para poupadores que receberão até R$ 5 mil
29/11/2017 - 09h11
Pagamento de contas diversas é o que mais pesa no bolso do consumidor, aponta pesquisa da Boa Vista
29/11/2017 - 09h11
Sicredi conquista Prêmio Relatório Bancário 2017 por funcionalidade para cartões em aplicativo
29/11/2017 - 09h11
Melhora o cenário de produção e vendas no mercado imobiliário na Grande Cuiabá
29/11/2017 - 09h11
Em novo local 5º edição da Femoda MT fortalece negócios para o setor da moda
© 2011 - Todos os direitos resevados a News Cuiabá
Fale conosco: contato@newscuiaba.com.br
JobDigital