NEWS CUIABÁ
Últimas Notícias Mato Grosso Política Artigos Esportes Economia Variedades Meio Ambiente Brasil Mundo

/ Artigos

02/09/2018 - 11h34
Imprimir

De alcova

Fonte: Eduardo Gomes de Andrade
A+ A-

José Maria Alkmin – o Zé Maria - um dos maiores vultos da velha política mineira nos idos do bom e autêntico PSD agoniza no leito da morte, mas mantendo a lucidez. Católico, sua família pede que a igreja lhe dê a extrema-unção. O sacerdote bota uma vela acesa na mão do enfermo, a segura com as duas mãos e reza; ao término da prece lhe pergunta: “Renuncias a satanás?”. Silêncio profundo. O religioso martela com o mesmo questionamento. Zé Maria permanece calado. Ao lado dos dois, Tancredo Neves abraça o padre e baixinho ao seu ouvido, para seu amigo acamado não escutar, diz: “Isso não é pergunta que se faça a político mineiro. A gente não sabe o que vai encontrar do outro lado da vida; por isso, não é bom contrariar ninguém”.

Claro que o grupo de Zé Maria era especial. Tinha JK, Tancredo, Israel Pinheiro. Esse pessoal deveria ser fonte de inspiração para a classe politica mato-grossense, em especial para Mauro Mendes e Pedro Taques.

 

De longe acompanho uma campanha cuja formatação mais parece guerra do que disputa eleitoral. Não desejo o falso cavalheirismo entre eles, mas quando nada que tenham postura compatível com o cargo que disputam. Piadinhas, trocadilhos infames, nada disso é palatável nem tragável, principalmente se levarmos em consideração que nos últimos anos os dois repetiram até recentemente no plano político o refrão dos compositores Atílio Versuti e Jeca Mineiro, no clássico Fuscão Preto: “Daí a pouco eu mesmo vi o Fuscão / e os dois juntos se desmanchando de amor”.

O momento exige reflexão. É tempo do confronto de ideias para mostrar ao eleitorado aquilo que o candidato é capaz e o que seu adversário não saberia fazer ou que não fez. Campo pessoal não sobe a palanque. O eleitor, senhor soberano do voto, hoje tem em mãos o passado dos políticos. Ele sabe sobre erros e acertos, sobre licitude e ilicitude, sobre seu envolvimento ou não com os mais diversos crimes que brotam na vida pública. Em campanha manga curta é preciso saber aproveitar o tempo de modo decente, inteligente, convincente e eloquente.

Observando os três candidatos mais cotados ao governo, segundo as pesquisas, avalio que o goiano Mauro Mendes e o cuiabano Pedro Taques falam a língua que o eleitor não quer ouvir. Nesse cenário Wellington Fagundes, rondonopolitano com sangue baiano, mostra-se diferente de seus principais oponentes. Com espírito desarmado e sem olhar pelo retrovisor leva a disputa em alto nível, conscientemente ou não, imitando Zé Maria, pois ninguém tem bola de cristal para saber sobre o amanhã. Com Mauro Mendes e Pedro Taques a ferro e fogo tomo a liberdade até de supor que a guerra entre eles pode ser uma tática de velhos amigos, para que um sobreviva e dê a mão ao outro. Caso minha suposição esteja correta, num eventual segundo turno entre Wellington e um deles não será fácil convencer o eleitorado que os dois reataram o fogo da ardente paixão do tempo do Fuscão Preto que era uma alcova sobre rodas.

Eduardo Gomes de Andrade é jornalista

eduardogomes.ega@gmail.com 

  Últimas

02/09/2018 - 11h34
Em meio ao turbilhão das dívidas, aprenda a se programar para ficar no azul em 2019
02/09/2018 - 11h34
Democracia em prol do Brasil
02/09/2018 - 11h34
Inoportuno!
02/09/2018 - 11h34
A prescritibilidade de reparação de danos ambientais
02/09/2018 - 11h34
A evolução do agro e a estagnação do Estatuto da Terra
© 2011 - Todos os direitos resevados a News Cuiabá
Fale conosco: contato@newscuiaba.com.br
JobDigital